segunda-feira, 14 de março de 2011

Relato de Parto

Minha gravidez não foi tranquila, logo que descobri que estava grávida corri pro cardiologista por que sou hipertensa, nunca senti tanto medo na vida igual senti no dia que descobri a minha gravidez.
Até o mês o fim do mês de junho foi tudo tranquilo, pressão controlada, exames ótimos... No dia 7 julho minha vida vira do avesso e nunca senti dor tão grande em toda mi
nha existencia, meu pai morreu... tudo mudou.. passei o mês inteiro no pronto socorro com a pressão nas alturas...até que ela normalizou e eu consegui seguir com a minha gravidez "normalmente". No meio de tuda a zona que minha vida virou, minha grande amiga Helena, que me acompanhou desde o positivo até o dia que o Vitor nasceu, me ajudou a encontrar uma doula pra me acompanhar. Foi assim que a Pris entrou na nossa vida. Ela me ajudou demais, na troca de médico, em me ouvir quando eu não tinha com quem desabafar, em me orientar no que era melhor pra mim e pro Vitor.
Desde o começo eu queria que o Vitor nascesse naturalmente, e nas minhas conversas com a Pris isso ia se fortalecendo, troquei de médico, cheguei na 36° semana e na ultima consulta antes do parto eu estava com a pressão muito alta, então eu, Marcelo e o médico decidimos fazer uma cesárea na semana seguinte.

Foi a semana mais longa da minha vida. Os dias não passavam, não dormia direito, só pensando em como seria o grande dia. Eu tinha combinado com meu pai que ele me levaria pra maternidade, como infelizmente ele não pode me levar, meu tio me levou (obrigada! Nem sei se te agra
deci, mas foi muito importante pra mim!!). Fiz toda a papelada pra internação e lá vamos nós.

Fui examinada ainda no PS do hospital, preenchi uma ficha e subi pra sala de pré-parto. Chegando lá coloquei o avental e fui pra sala de pré-parto, o tempo todo eu chamava o meu marido, pois achava que ele poderia ficar comigo o tempo todo... ledo engano... Veio uma enfermeira e
me chamou pra medir a pressão, 16x12, me levaram pra sala de pós-parto pra ficar deitada pra ver se baixava a pressão e nada. Chegou a anestesista da equipe do meu médico, conversou comigo e disse que logo eu iria pra sala de cirurgia.
Meu médico chegou, e eu fui levada pra sala de cirurgia, ele conversou comigo, me despedi da minha barriga, perguntei pelo meu marido e eles me disseram que ele já iria entrar, tomei a anestesia e começei a passar muito mal, eu gritava, eu chorava, queria ir embora, eu chamava pelo meu marido, foi uma sensação horrivel. Uma enfermeira veio falar comigo que iria buscar o meu marido se eu ficasse quetinha.. fechei a boca na hora e logo vi o Marcelo do meu lado...ai tudo passou.. ficamos conv
ersando e logo o médico chamou ele pra ver o bebê nascer.
Só me lembro dele dizendo que o Vitor era lindo e da enfermeira trazendo ele pra eu ver. Foi a melhor sensação de toda a minha vida... não sei nem descrever. Sentir aquela pele tão delicada encostando no meu rosto, o chorinho, o cheiro... Foi maravilhoso. Abracei meu filho e pedi pra dormir... dai eu já não lembro de mais nada.
Acordei na sala de pós-parto, mexendo as pernas e louca pra ir pro meu quarto.
O Marcelo me contou que depois que levaram o Vi
tor eu voltei a gritar e a chorar, mas eu não lembro. O médico me disse que foi reação a anestesia.

Foi assim que meu grande amor nasceu!

Não me arrependo da minha cesárea, me arrependo de não ter levado minha doula comigo, ela não foi por opção minha, eu acho que teria ficado mais tranquila. Mesmo não me arrependendo não recomendo a ninguém uma cesárea sem ser necessária, se eu tivesse ido até o fim no meu parto normal, poderia ter aproveitado mais o nascimento do meu filho.

Não tive problemas nenhum com a cirurgia, andei, tomei banho, lavei o cabelo tudo no mesmo dia.




Um comentário:

  1. Vc não sabe o quanto eu fico feliz de ter ajudado. Gostaria de ter ajudado mais, mas isso só seria possível presencialmente. de qualquer forma, vc achou uma doula maravilhosa, que deu a ajuda que eu não pude dar.
    bjos!

    ResponderExcluir